Você está em:
Postado há . Atualizado há

De pai para filho: Como falar de dinheiro com seus filhos?

Que pai não deseja dar uma vida perfeita a seus filhos, com segurança, amor, diversão, acesso a uma educação de qualidade – O futuro sonhado para o filho é sempre melhor do que a vida do pai.

Que pai não deseja dar uma vida perfeita a seus filhos, com segurança, amor, diversão, acesso a uma educação de qualidade – O futuro sonhado para o filho é sempre melhor do que a vida do pai.

E buscando esse futuro de qualidade é que muitos pais economizam, investem, compram casas e carros e usam o dinheiro como meio para garantir uma vida feliz aos seus filhos.

Mas acabam pecando em uma coisa: Não conseguem ensinar sobre dinheiro.

O processo de educar alguém financeiramente é um ato de amor. Que pai deseja ver o filho passando por dificuldades financeiras? Dificuldades que, em alguns casos, poderiam ter sido evitadas com o aprendizado sobre finanças.

Muita gente acha estranho falar de dinheiro com criança, mas são pequenas ações que farão com que as crianças de hoje sejam os adultos independentes financeiramente de amanhã.

Educação financeira não é somente saber investir, tudo que envolve dinheiro está dentro desse pacote que é a educação financeira.

E ao introduzir esse conhecimento para as crianças e adolescentes você estará ajudando a desenvolver habilidades e conhecimentos que eles vão levar para a vida inteira.

Veja abaixo 5 técnicas para te ajudar a falar de dinheiro com seus filhos:

Explique de onde vem o dinheiro

Muitas crianças imaginam que o dinheiro é apenas um papel ou um pedaço de plástico que compra coisas e a falta de conhecimento sobre o real funcionamento, faz qualquer ida ao mercado com uma criança, virar uma cena de terror na hora de passar no caixa.

É importante que o seu filho (a) saiba como você faz para ter dinheiro.

Fazer a criança entender que o trabalho é uma troca, uma recompensa financeira por você disponibilizar tempo, conhecimento, e qualquer outra habilidade mostrará ao seu filho (a), mesmo que de forma sutil o valor do tempo, dinheiro e da dedicação.

Fora que ele começará a reconhecer os seus esforços e terá um grande exemplo a seguir.

Ensine a melhor forma de gastar

Isso mesmo você não leu errado, ensinar o uso consciente do dinheiro, as consequências de gastar ou não gastar, o momento mais adequado para cada aquisição, vai desenvolver o pensamento crítico do seu filho (a).

Dessa forma ele ou ela começa a entender e a separar aquilo que é necessidade do que é apenas uma vontade de ter.

O poder do NÃO

A famosa frase “na volta a gente compra” precisa urgentemente ser substituída por diálogos mais abertos com frases ou questionamentos.

Por exemplo “você pode ter isso, mas não hoje”, “você realmente precisa disso?”, “nós não temos dinheiro hoje, para comprar o que você quer” ou simplesmente “nós não enxergamos que isso é necessário para você nesse momento, então você não terá”.

Falar a realidade e tratar o assunto “dinheiro” sem tabu, trará a sensação de pertencimento a criança, ensinará o valor de saber esperar, e o valor do Não.

Afinal, nem tudo que a gente quer, podemos ter.

Ensine a pensar com o dinheiro

Mas, quando seu filho pedir por uma coisa que você não tem recursos para comprar, mas que na sua visão, trata-se de algo importante para ele, ao invés de dizer que seu dinheiro não nasce de árvore, você pode falar “não tenho dinheiro para fazer isso. O que você imagina que podemos fazer?

É importante substituir algumas frases para obter respostas e colocar a mente da criança para trabalhar.

Veja que essa é uma forma de resolver problemas, você tem um desejo e ao invés de ter somente uma negativa, você procura uma saída.

Isso é uma forma de desenvolver a inteligência financeira de uma criança.

Essas são apenas algumas das muitas competências que você pode desenvolver na criança ou adolescente, apenas ensinando educação financeira no dia a dia, algo que será muito valioso para você e principalmente para o seu filho e para as relações que ele estabelecer no decorrer da vida.

Aprender a controlar a própria vida financeira, pode ser o melhor legado passado de pai para filho.