Você está em:
Postado há 0000-00-00 00:00:00

Temporários: em marcha lenta

O número de contratações temporárias para as férias de julho sofreu redução de 32% neste ano em relação a 2008, segundo previsão da Associação Brasileira das Empresas de Serviços Terceirizáveis e de Trabalho Temporário (Asserttem).

Mário Tonocchi

O número de contratações temporárias para as férias de julho sofreu redução de 32% neste ano em relação a 2008, segundo previsão da Associação Brasileira das Empresas de Serviços Terceirizáveis e de Trabalho Temporário (Asserttem). O volume, que chegou a 15,5 mil em 2008, deve ficar em apenas 10,5 mil agora. De acordo com a diretora de comunicação da Associação, Jismália Oliveira Salves, a queda na oferta de vagas deve-se à retração na procura por viagens de turismo e programas de lazer, efeito da crise. A lei seca, ao reduzir o movimento nos bares, lanchonetes e restaurantes, também contribuiu para diminuir a oferta de trabalho nessas férias.

Com número menor de postos temporários,  a efetivação também será reduzida. Já a remuneração está maior neste ano tanto para as contratações em lazer e entretenimento quanto para os postos da indústria e do comércio. "O mercado está mais exigente, em busca de pessoas com mais qualificação e, por isso, pagando melhor", disse a diretora. Para vagas no setores da indústria e do comércio, o contrato pode chegar a R$ 980 mensais. Na área de lazer e entretenimento, a remuneração é de até R$ 90 por dia trabalhado.

Na indústria e no comércio, segundo a Asserttem, há vagas para as linhas de produção, degustação e promoção. As empresas exigem experiência anterior e 2º grau completo, além de simpatia e boa comunicação. Marketing promocional, eventos e comércio de produtos para lazer são as áreas com  mais empregos. Parques temáticos, clubes, hoteis, pousadas, acampamentos, bares e restaurantes também oferecem empregos temporários. As principais funções são as de atendimento, monitoria, operação de brinquedos, serviço de quarto e de cozinha. A prioridade é para estudantes de cursos universitários e recém formados em Pedagogia, Turismo, Publicidade e Psicologia.

Segundo a Asserttem, de 60% a 70% das vagas existentes nas áreas de lazer e entretenimento são destinadas a pessoas entre 18 e 39 anos. A participação dos candidatos de 40 a 59 anos deve aumentar de 23% para 28%, e acima de 59 anos, passa de 7% para 12%. Na indústria e no comércio, a participação de pessoas entre 18 e 39 anos deve cair de 90% no ano passado para 80% em 2009. Trabalhadores com 40 a 59 anos podem ficar com 18% dos postos de trabalho ante 9% em 2008, e para quem tem mais de 59 anos a percentagem aumentou de 1% para 2%.