Você está em:
Postado há . Atualizado há

Inteligência artificial é caminho sem volta no mercado de contabilidade

Inteligência Artificial já faz 98% das classificações contábeis na ROIT. Segundo sócio e CEO da empresa, automatização será ainda mais intensa com mudanças decorrentes da reforma tributária.

Fonte: O Autor

A inteligência artificial rompeu os muros das instituições acadêmicas e de pesquisa, e em várias atividades robôs já substituem o trabalho humano. Entre elas, as do setor de contabilidade. A automatização em processos contábeis é realidade, e a tendência é de que se intensifique, com a provável reforma tributária, que vai estimular empresas a migrarem de regime fiscal, exigindo atuação mais estratégica dos departamentos de contabilidade.

A análise é do especialista Lucas Ribeiro, sócio e CEO da ROIT Consultoria e Contabilidade, empresa com sede em Curitiba. A ROIT recentemente tornou-se uma accountech, e é uma das referências no país em automatização dos processos. Atualmente, boa parte do trabalho é executado pelos robôs fiscal e contábil desenvolvidos pela ROIT. São 8 milhões de lançamentos já classificados e mais de 1,8 bilhão de cenários tributários por meio de inteligência artificial.

“Estamos chegando perto de atingir a marca de 2 bilhões de cenários tributários, algo impensável se não fosse a inteligência artificial. A contabilidade está em extrema transformação, deixando de ser operacional e passando a se tornar cada vez mais estratégica, como deve ser”, sublinha Lucas Ribeiro, ao relacionar o caso da ROIT com o movimento inevitável de automatização do mercado de contabilidade.

REFORMA TRIBUTÁRIA

O executivo explica que a reforma tributária em tramitação no Congresso Nacional, e que tem chances reais de ser aprovada e implementada, estimulará as empresas a migrarem dos regimes Simples Nacional e Lucro Presumido para o regime Lucro Real. Ocorre que esse regime tributário exige lançamentos completos, pois a apuração do IBS (imposto sobre bens e serviços) fará com que as empresas peguem notas ficais de todas as suas aquisições e tenham que contabilizá-las em tempo recorde. A automatização, portanto, será imprescindível para que essa atuação seja exercida com eficiência e eficácia.

“A inteligência artificial teve um primeiro momento quando se tratava de uma descoberta, de objetos de pesquisas, de hipóteses de aplicabilidade. Hoje vive um segundo momento: não é mais uma hipótese, é prática. E não sou eu quem estou dizendo. Em ‘Inteligência Artificial’, Kai-Fu Lee, um dos maiores nomes no assunto, que foi CEO e o fundador do Google China, aponta que esse caminho já é realidade”, argumenta Lucas Ribeiro, citando uma das falas do autor: “a transformação provocada pela inteligência artificial equipara-se com a invenção da energia elétrica’”.

A ROIT é especializada em atender empresas que estão inseridas no regime tributário Lucro Real. De acordo com levantamento da consultoria, essas empresas representam atualmente apenas 3% do total de organizações no Brasil que demandam por serviços contábeis. Por outro lado, é nesse nicho que está a maior oportunidade de faturamento para escritórios e profissionais de contabilidade: 62% do potencial de receita para o mercado vem das empresas no Lucro Real.

Para aproveitar esse potencial, sublinha Lucas Ribeiro, as empresas de contabilidade precisarão investir em automatização e profissionais espetaculares. A ROIT iniciou um processo seletivo, nesse momento para apenas 30 escritórios de contabilidade no Brasil, que passarão a utilizar sua inteligência artificial, também com RPA (robotic process automation) em processos extremamente otimizados. Uma oportunidade para aqueles que desejam atingir empresas maiores e mais complexas.

Lucas Ribeiro, sócio e CEO da ROIT Consultoria e Contabilidade.