• Conheça nosso jeito de fazer contabilidade
    Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Vestibulum sit amet maximus nisl. Aliquam eu metus elit. Suspendisse euismod efficitur augue sit amet varius. Nam euismod consectetur dolor et pellentesque. Ut scelerisque auctor nisl ac lacinia. Sed dictum tincidunt nunc, et rhoncus elit

Notícia

Os efeitos da mudança na fórmula de correção das ações trabalhistas

Por meio de um novo pacote de medidas, denominado MP do “Trabalho Verde e Amarelo”, o Governo Federal pretende, dentre outras providências, a redução da forma de correção dos débitos trabalhistas oriundos das reclamações judiciais

Por meio de um novo pacote de medidas, denominado MP do “Trabalho Verde e Amarelo”, o Governo Federal pretende, dentre outras providências, a redução da forma de correção dos débitos trabalhistas oriundos das reclamações judiciais. Nas ações trabalhistas, quando da apuração dos créditos devidos, são aplicados sobre os valores dois componentes: a incidência de fator de correção monetária e a fixação de percentual específico a título de juros de mora, na razão de 1% ao mês (12% ao ano), contados a partir da data do ajuizamento da reclamação.

Em um primeiro momento, a correção monetária é efetuada por meio de aplicação de índices, adotando-se um indexador para atualização dos valores históricos. Após efetuada a correção monetária, há incidência do segundo componente, que é o percentual de juros de mora.

No que se refere a correção monetária, após reiteradas discussões judiciais e entrada em vigor da reforma trabalhista, inserida pela lei 13.467/17 (a partir de 11 de novembro de 2017), o entendimento majoritário adotado na Justiça do Trabalho acompanha decisão proferida pelo Tribunal Superior do Trabalho é o seguinte: “O Índice de Preços ao Consumidor Amplo Especial (IPCA-E) só deverá ser adotado como índice de atualização dos débitos trabalhistas entre 25 de março de 2015 e 10 de novembro de 2017. No período anterior a 24 de março de 2015 e posterior a 11 de novembro de 2017, a Taxa Referencial (TR) deve ser utilizada como índice de atualização dos débitos trabalhistas. ”

Nesta nova etapa de medidas, a alteração pretendida pelo governo não está relacionada ao indexador de correção monetária, mas sim, exclusivamente em relação ao segundo componente, ou seja, a forma de aplicação dos juros de mora incidentes sobre os créditos trabalhistas. Assim, ao invés de ser aplicado o percentual de 1% ao mês (12% ao ano), passe a ser adotado o percentual de juros aplicados aos rendimentos da caderneta de poupança, cuja média em 2019 gira em torno de 4,55% ao ano, o que representa 0,3715% por mês.

Referida medida se aprovada, resultará em redução considerável na atualização dos créditos das reclamações trabalhistas, situação que, segundo o governo, pode incentivar a atividade empresarial, servindo de estímulo para a geração de empregos.

Por outro lado, é inegável que a medida reduzirá os ganhos dos litigantes da Justiça do Trabalho, eis que a taxa de juros atual resulta mais vantajosa do que a vasta maioria das aplicações existentes no mercado financeiro, o que evidencia que processos mais céleres tenderão a beneficiar cada vez mais a todos os envolvidos.