• Conheça nosso jeito de fazer contabilidade
    Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Vestibulum sit amet maximus nisl. Aliquam eu metus elit. Suspendisse euismod efficitur augue sit amet varius. Nam euismod consectetur dolor et pellentesque. Ut scelerisque auctor nisl ac lacinia. Sed dictum tincidunt nunc, et rhoncus elit

Notícia

A cultura familiar e seus reflexos no processo sucessório

Dados estatísticos referentes aos negócios familiares apontam que cerca de 30% das empresas sobrevivem à segunda geração, e somente 5% chegam à terceira

Um dos grandes desafios das empresas familiares é saber de que maneira realizar a manutenção e adaptação de sua cultura aos novos tempos, frente às novas demandas, tecnologias ou tendências de mercado. A pergunta recorrente a cada mudança de geração é: Como garantir que os valores corporativos sejam transferidos aos sucessores, e continuem a fazer parte da cultura organizacional?

Dados estatísticos referentes aos negócios familiares apontam que cerca de 30% das empresas sobrevivem à segunda geração, e somente 5% chegam à terceira.

Isto ocorre, sobretudo, devido a ausência de um processo de preparação dos sucessores, que muitas vezes são formados nas universidades, mas não entendem a realidade corporativa, a dinâmica organizacional, e seus reflexos nos direcionamentos estratégicos. A cultura afeta diretamente o comportamento organizacional, a forma de atuação da empresa junto ao mercado, e sua representatividade no desenvolvimento da localidade.

A empresa familiar tem atuação local, em sua grande maioria. Na comunidade em que atua, é reconhecida pessoalmente, e as empresas, em muitos casos, possuem o sobrenome do fundador, sendo esta uma referência de toda uma linhagem familiar.

A cultura organizacional nas empresas familiares, portanto, se traduz de forma muito peculiar, a saber:

• Por meio da lealdade de seus colaboradores;
• Pela relação estreita entre membros da família e corpo organizacional;
• Pela proximidade com clientes, fornecedores, bancos, e demais instituições; e
• Pela figura carismática do fundador, que é visto como um empreendedor visionário, cujo esforço demandado para o fortalecimento da empresa é exemplar.

Todos estes pontos são extremamente importantes para a manutenção dos valores e da cultura da empresa familiar. Mesmo que haja desvantagens, as referências culturais ainda são mais significativas que os problemas ocasionados.

São problemas das empresas familiares:

• A relação com os colaboradores se apresenta de maneira paternalista;
• A proximidade entre a família empresária e aqueles com os quais ela se relaciona, pode desencadear ausência de profissionalização nos processos corporativos; e
• E o carisma do fundador é difícil de ser transmitido.

Assim sendo, a única maneira de manter cultura e desenvolvimento, é por meio de ações de governança corporativa. É preciso profissionalizar sem perder a essência do negócio.

Toda empresa familiar precisará passar por processos de profissionalização, pois entende-se que uma empresa sem regras formais e processos estruturados, não estará preparada para atender ao aumento de membros da família, tendo em vista que esta cresce exponencialmente. Desta forma, o número de sócios será maior em virtude de herança, transparência e prestação de contas é fundamental para a harmonia da empresa e da família.

Famílias em conflitos e brigas constantes, tornam a empresa familiar fraca. Há que se manter a boa governança para que exista uma base profissional nas ações dos gestores organizacionais, quer sejam eles membros da família, ou não.

Mesmo com a adoção de práticas e normas explícitas, uma regra que traduz os valores do fundador não pode ser corrompida, é ela:

“A família deve servir a empresa, e não a empresa servir a família”.

Os fundadores, via de regra, adotam esta prática, e definitivamente, esta é uma regra fundamental para que os negócios de família sobrevivam e sejam a base de sustento das próximas gerações.